• Twitter
  • Facebook

Publicações de Biodiversidade e Florestas

Série Ecossistemas Paranaenses


A Coordenadoria de Biodiversidade e Florestas (CBIO), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, concluiu a série Ecossistemas Paranaenses. Ao todo foram publicados dez volumes que retratam a variedade de ambientes naturais encontradas em diferentes regiões do Estado do Paraná.

Os exemplares mostram com um texto didático e de fácil compreensão os ecossistemas paranaenses e também as suas características e especificidades, variando de região para região.

O conteúdo de cada fascículo possui o conhecimento geral e também questões conceituais que foram apresentadas conforme os dados já existentes. Além disso a publicação também contou com a importante participação dos profissionais da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Instituto Ambiental do Paraná, Instituto de Terras, Cartografia e Geociências e o Instituto das Águas do Paraná.

CONTEÚDO – Os dez volumes publicados apresentam informações dos seguintesEcossistemas Paranaenses V10
ecossistemas paranaenses: Atlas Brasileiro de Desastres Naturais - volume Paraná

Atlas Brasileiro de Desastres Naturais
O Atlas Brasileiro de Desastres Naturais (Sistema integrado de informações sobre Desastres) apresenta mapas temáticos oriundos do levantamento de registros históricos (1991 a 2010), e possibilita a construção de um panorama geral das ocorrências e recorrências de desastres no país e suas especificidades por Estados e Regiões. Subsidia, assim, o planejamento adequado em gestão de risco e redução de desastres, a partir da análise ampliada abrangendo o território nacional, dos padrões de frequência observados, dos períodos de maior ocorrência, das relações destes eventos com outros fenômenos globais e da análise sobre os processos relacionados aos desastres no país.
Fonte: Secretaria Nacional de Defesa Civil



CONTRIBUIÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO BRASILEIRAS PARA A ECONOMIA NACIONALContribuição das Unidades de Conservação para a economia nacional

O Centro para Monitoramento da Conservação Mundial do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP-WCMC) e o Ministério do Meio Ambiente, sob a coordenação técnica de pesquisadores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com o apoio técnico da GIZ (German Agency for International Cooperation) e do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e o apoio financeiro do DEFRA (Department for Environment, Food and Rural Affairs), desenvolveram o estudo CONTRIBUIÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO BRASILEIRAS PARA A ECONOMIA NACIONAL.
Essa publicação apresenta os resultados de análises sobre o impacto e o potencial econômico de cinco dos múltiplos bens e serviços provisionados pelas unidades de conservação para a economia e sociedade brasileiras: produtos florestais, uso público, carbono, água e repartição de receitas tributárias. 



Florestas do Brasil em resumo 2010Florestas do Brasil em Resumo 2010

O Ministério do Meio Ambiente - MMA  lançou o livro de bolso Florestas do Brasil em Resumo 2010, produzido pelo Serviço Florestal Brasileiro, disponível em versão on line. São 152 páginas com informações sobre os seis biomas brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal), avanços na gestão das florestas nacionais, aspectos socioeconômicos da área florestal e ensino e pesquisa relacionados ao tema, e, estoque de carbono armazenado de biomassa, entre outras.

 




Lista de Espécies da Flora do Brasil

Lista de Espécies da Flora do BrasilA Lista de Espécies da Flora do Brasil, publicada pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro, inicialmente em 2010, é apresentada na versão 2011. A Lista disponibiliza imagens, tipos nomenclaturais, graças e informações de formas de vida e substrato, diferenciadas em relação às Algas, Briófitas, Angiospermas + Gimnospermas + Pteridófitas, bem como aos Fungos, além de dados sobre a ocorrência das espécies em diferentes tipos de vegetação e a distribuição das Algas por Regiões Hidrográficas. São apresentadas também estatísticas que sintetizam a riqueza de espécies por estados, regiões e domínios fitogeográficos.



► Quarto Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica 

Quarto Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica

O Brasil, como país signatário da Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), assumiu perante a comunidade internacional uma série de compromissos para 2010. Dentre eles, destaca-se a implementação da Estratégia Global para a Conservação de Plantas (GSPC), com o objetivo de facilitar o consenso e a sinergia nos níveis global, nacional, regional e local para impulsionar o conhecimento e a conservação de plantas. Das 16 metas estabelecidas pela GSPC, a primeira é a elaboração de uma "lista funcional amplamente acessível das espécies conhecidas de plantas de cada país, como um passo para a elaboração de uma lista completa da flora mundial".

Ao adotar o plano estratégico da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) da ONU - o mais importante acordo internacional sobre o tema -, os 193 países signatários se comprometeram a alcançar, até 2010, uma redução expressiva na taxa de perda de biodiversidade em seus territórios.
O 4º Relatório Nacional do Brasil para a CDB, lançado em maio de 2011, apresenta os resultados e avanços do Brasil no cumprimento da meta global, além da situação atual da biodiversidade e dos ecossistemas brasileiros. 
Fonte: Ministério do Meio Ambiente - MMA



► Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná


Livro Vermelho das Espécies da Fauna Brasileira ameaçadas de extinção


Lista Nacional das Espécies da Flora Brasileira ameaçadas de extinção


Comportamento de espécies florestais plantadas pelo Programa Mata Ciliar, no Estado do Paraná


Entre os resultados obtidos pelo Programa Mata Ciliar estão a redução da perda de biodiversidade, a restauração de áreas degradadas e a manutenção dos ecossistemas naturais. A preservação do solo e dos recursos hídricos é fundamental para a sobrevivência de qualquer espécie vegetal ou animal. O Código Florestal Federal considera a função ambiental das áreas de preservação permanente (APP´s) como forma de preservar os recursos hídricos, manter a estabilidade geológica, os solos e a biodiversidade, favorecendo o fluxo gênico da flora e da fauna. 

Livro Produzindo com a Natureza Projeto Paraná Biodiversidade

Livro Produzindo com a Natureza



► Caderno de Resultados – Subprojetos Conservacionistas

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, executora do Projeto Paraná Biodiversidade, disciplinou os critérios para contratação dos Subprojetos de Biodiversidade.  As áreas de abrangência dos projetos apresentados são:  

  • Pesquisa sobre biodiversidade em áreas de remanescentes florestais em bom estado de conservação, com prioridade para a Floresta Ombrófila Mista, incluindo diagnósticos e monitoramentos da fauna.
  • Educação ambiental ligada a áreas com remanescentes florestais em bom estado de conservação, cujo objetivo seja demonstrar para a sociedade do entorno da área sua importância.
  • Cadastramento ou infraestrutura em áreas de remanescentes florestais em bom estado de conservação, com prioridade para a Floresta Ombrófila Mista. Nessa categoria serão apoiadas pequenas obras para a proteção e conservação desses remanescentes.
  • Apoio a atividades de incentivo para melhoria da sustentabilidade de RPPN e criação de novas RPPN.

Edital de Seleção de Subprojetos Conservacionistas 

A Câmara Julgadora – câmara técnica, que analisou e relatou em Reunião do Conselho Assessor do Projeto Paraná Biodiversidade, os projetos encaminhados por proponentes – entidades privadas sem fins lucrativos (Organização Não Governamental – ONG), – apresentou a seguinte recomendação, visando a obtenção de recursos disciplinados neste edital:  Projetos aprovados.


Implantação e manejo de florestas em pequenas propriedades no Estado do Paraná: um modelo para a conservação ambiental, com inclusão social e viabilidade econômica

Projeto Implantação e manejo de florestas em pequenas propriedades no Estado do Paraná: um modelo para a conservação ambiental, com inclusão social e viabilidade econômica
A possibilidade de obter renda com a Reserva Legal é o maior estímulo à sua recomposição pelos produtores. No trabalho

"Implantação e manejo de florestas em pequenas propriedades no Estado do Paraná: um modelo para a conservação ambiental, com inclusão social e viabilidade econômica"

cinco instituições, Embrapa Florestas, Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral, Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Instituto Emater e Instituto Ambiental do Paraná, uniram-se por meio do Programa Paraná-Biodiversidade, em um trabalho que busca a sustentabilidade da pequena propriedade rural, através da conservação ambiental, com inclusão social e viabilidade econômica.

Em termos ecológicos, busca-se a reconstituição da cobertura florestal nativa, o estabelecimento de reservas legais e a formação de bancos de germoplasma de espécies florestais nativas da região. Em termos sociais e econômicos, os produtores poderão ter melhoria na qualidade de vida com a geração de renda através do pagamento do crédito de carbono e da venda de madeira dos desbastes e colheita final, bem como de sementes de espécies nativas coletadas nos bancos de germoplasma. Além disso, com a replicação em grande escala do modelo proposto, haverá estimulo à atividade madeireira, em particular, à indústria de processamento de madeira, com agregação de valor à produção regional. Vencedor do Prêmio Expressão em Ecologia e Prêmio von Martius de Sustentabilidade, em 2007, este trabalho constitui-se em um modelo que, após ajustado às características especificas de cada local, possui grande potencial de utilização em todo território nacional.




 

 


Recomendar esta página via e-mail: